15
maio

Cozinha do Bem – Comida Raw

A culinária Raw é muito mais do que apenas consumir alimentos crus.

“Acreditamos que a comida crua é uma das mais puras e deliciosas formas de culinária…. O alimento cru é na verdade uma parte deliciosa de uma dieta saudável e equilibrada (Meredith Baird & Matthew Kenney – Everyday Raw Detox)“

Foi na Califórnia que floresceu a culinária Raw (cru), que prepara receitas naturais sem uso de fogão. É também conhecida como alimentação viva, cozinha viva, comida crua, in natura, natural ou não artificial.

É uma nova tendência na gastronomia, quase que um caminho natural, para quem busca uma vida saudável, equilibrada e um novo jeito de apreciar a boa culinária.

A humanidade está olhando para essas tendências em busca de abrir horizontes e de ter novas experiências. É como ir a um restaurante japonês, indiano ou árabe pela primeira vez.

Aquela nova comida, com paladar um pouco diferente, desperta a curiosidade e no principio pode estranhar, mas aos poucos funciona como viajar e conhecer novas culturas, e assim deixa de existir o preconceito por uma culinária sem carne.

Isso pode parecer limitado, mas as possibilidades existentes dentro do estilo de vida de alimentos crus são inúmeras e completamente satisfatórias. Todas as variações brotam da mesma fonte essencial: é uma dieta composta de frutos silvestres, legumes, nozes, sementes e, ocasionalmente, grãos germinados, cultivados naturalmente ou cultivados organicamente e de forma sustentável.

O leite é extraído de vegetais, como o de amêndoas, o de arroz, o de coco, e o de aveia.

O “raw” pode ser tão requintado quanto a alta gastronomia.

Os “raw foodists”, assim como os veganos, não consomem produtos de qualquer espécie animal (com exceção de, mel puro e pólen de abelha) e frequentemente vão além, excluindo quaisquer alimentos com ingredientes processados quimicamente ou pasteurizados.

Ressaltando que nada é cozido acima de 47ªC, para manter preservado as enzimas e os nutrientes dos alimentos.

Como em qualquer outro prato elaborado, é preciso levar em conta cores, texturas e a harmonização e balanceamento dos sabores.

O mundo do “raw” é interessante porque estimula a alquimia. Você tem que descobrir, pesquisar, tentar, transformar, se reinventar na cozinha. Não é simplesmente, tentar adaptar um prato comum. O bom mesmo e desafiante é criar novos pratos com técnicas e paladares diversificados.

Além de tudo isto, o que conta muito é ao visual do prato. A apresentação é uma das principais “artes” no mundo da culinária, e um aspectoo de toda a cozinha, que pode definir o sucesso ou não de uma receita.

O prazer tem que passar por quase todos os sentidos, exigindo uma combinação perfeita de experiência, instinto e habilidade.

Alimentação equilibrada pode trazer benefícios maravilhosos.

Nos dias atuais o que se vê com freqüência é uma alimentação moderna, na maioria das vezes, baseada em enlatados, embutidos, engarrafados e sabores artificiais… o que agrada uma grande maioria pela praticidade e fácil acesso.

Existe hoje uma falta de direção generalizada, pois temos tanta informação que não sabemos mais o que é verdadeiro ou falso.

As pessoas ligam o natural a um estilo de vida que, por ser mais simples, seria sem charme. Mas isso não é verdade, e é o que podemos conferir com a Chef Sandra Marangoni, que além de ser especialista na cozinha raw, ministra cursos com cardápios elaborados no mais alto requinte, nos mesmos moldes que o badaladissimo restaurante raw food “The Plant” em Nova York, sob o comando de Mattew Kenney.

Para se ter uma idéia do cardápio variado, segue sugestões do que pode ser feito no dia a dia:

• Torta de Cacau Raw com framboesas
• Carpaccio de ameixa com creme de gengibre
• Overnight com creme chai
• Ravioli / Lasanha Raw
• Ceviche de coco fresco
• Smoothies

crédito:www.debemcomacozinha.com.br